quarta-feira, 16 de maio de 2012

" O QUE POSSO FAZER "

Ninguém pode tomar nosso lugar . Cada um de nós tece um fio na teia da criação . Ninguém pode tecer aquele fio por nós . O que temos para contribuir é único e insubstituível . O que retemos da vida é perdido para a vida . O mundo inteiro depende de nossas escolhas individuais .


Duane Algin

O que posso fazer ? É nisto que se resume tudo . Após termos desistido de culpar os outros por nossas dificuldades , de termos parado de esperar por algum salvador mítico ou cavaleiro branco , e após termos renunciado às nossas sensações de inadequação e impotência , perguntamos então , " O que posso fazer ? "
No entanto , há uma pergunta ainda mais importante que podemos fazer . Não se trata somente de " O que posso fazer " , mas também de " Qual é a coisa mais estratégica que posso fazer ? " Portanto , nossa primeira tarefa é procurar meios pelos quais nossas contribuições possam ter um máximo de impacto ; as formas pelas quais os talentos e oportunidades caracteristicamente nossos possam ter melhor uso .
O primeiro passo , então , é simplesmente refletir profunda e cuidadosamente sobre nossa situação de vida . Devemos examinar nossos desejos e encontrar respostas para " O que eu gostaria realmente de fazer ? " Neste ponto é importante deixar de lado as tirânicas ordens individuais sobre o que nós deveríamos fazer , as crenças limitadoras sobre o que nós não podemos fazer , e começar por simplesmente achar o que nós gostaríamos de fazer . É importante reconhecer que fazer coisa pela culpa ou pelos " devos " é contraproducente . Esse tipo de motivação gera ódio , tensão e uma mania de retidão com que poderemos infectar outras pessoas . Essas emoções não ajudam , pois são parte do problema e nossa tarefa é reduzi-las .
Por esse motivo é tão importante aprender um segredo pouco conhecido sobre contribuição e serviço : não é errado divertir-se , gostar do que se faz . É muito comum abordar-mos o serviço com determinação severa e fundamentados na suposição de que não estamos sendo realmente sérios a respeito se não estivermos sofrendo . Sim é verdade que o mundo está mal , mas criar ainda mais sofrimento em nós mesmos não é a melhor forma de aliviá-lo .
Portanto , nossa primeira tarefa é procurar contribuições estratégicas que possamos gostar de fazer . Falar com pessoas pode ser de grande auxílio mas períodos de solidão e calma também podem . Quando Gandhi estava combatendo a questão de como melhor responder ao imposto britânico sobre o sal e a lei que proibia os indianos de pegar o sal livre e abundante que jazia em cada praia , ele se recolheu por semanas . Após muitos dias de reflexão e reza e resposta estratégica finalmente lhe chegou . Ele saiu pela Índia em direção ao oceano para pegar um pouco de sal . A notícia de sua peregrinação se espalhou , e sua jornada foi amplamente divulgada . Muitos dias depois , ele finalmente chegou à praia , parou , pegou um único punhado de sal e , como milhões de pessoas seguiram seu exemplo , o império britânico e suas leis sobre o sal caíram por terra .
As respostas estratégicas obviamente demandam informação . A educação pessoal sobre nossos problemas e suas causas também é essencial . É uma constatação de certa forma trágica , mas a simples leitura deste livro o torna mais informado sobre esses assuntos do que muitas pessoas no governo .
Com essa educação e reflexão , gradativamente você vai ganhando uma noção das respostas que melhor se adequam a você . Elas poderão incluir qualquer abordagem tradicional tal como organizar grupos , fazer lobby e escrever para os detentores do poder , educar os outros , doar ou recolher dinheiro , escrever ou falar em público e outras mais .
O desafio para todos nós , porém , é também criar novas abordagens que sejam apropriadas aos nossos talentos e condições específicas ; abordagens que alcancem pessoas novas e que tenham um impacto de formas novas . O que faria Gandhi se vivesse neste nosso tempo , na situação especial em que você vive ? Como procuraria ele a contribuição mais estratégica que pudesse fazer e qual seria ela então ? Este é um desafio para a criatividade e um jogo que vale a pena ser jogado .

COMPREENSÃO PSICOLÓGICA     

Existe ainda um outro aspecto deste jogo de contribuição estratégica . Trata-se de seu lado psicológico . Examinamos o que podemos fazer , mas de igual importância é como fazê-lo . Quando nos lembramos de como são essenciais as causas de nossas dificuldades , fica evidente que qualquer que seja nosso empreendimento , deve levar em conta esse aspecto . A pergunta então fica sendo assim : " Como posso abordar o que quer que eu faça de forma a reduzir as causas psicológicas dos problemas globais e aumentar a consciência psicológica e o amadurecimento das pessoas , incluindo o meu ? " 
Em outras palavras , " Como devo praticar e aplicar os princípios psicológicos analisados neste livro ? "
O primeiro passo é uma mudança de atitude , na forma de abordagem de nosso trabalho , nosso mundo e nós mesmos . Exploramos o mundo exterior e o mundo interior , aprendendo com nossa experiência subjetiva , nossas esperanças , medos , pensamentos e emoções , tanto quanto como eventos externos a nós . Para cada coisa que experimentamos ou fazemos , nós dedicamos o máximo de atenção e consciência de que somos capazes .
Uma vez que adotemos essa atitude , as outras pessoas e todas as nossas experiências passam a ser uma espécie de feedback . Quando fazemos alguma coisa que funciona bem , pesquisamos para aprender o porquê . Se fazemos um erro ( o que ocorrerá , repetidas vezes - faz parte da condição humana ) , também pesquisamos . Se abraçamos essa perspectiva não há razão para lamentos e recriminações ; eles seriam tristes substitutos da aprendizagem . Nossos erros podem , em última análise , mostrar-se tão valiosos quanto nossos triunfos , por vezes mais ainda .
À medida que aprendemos a fazer tudo com mais sensibilidade e consciência , passamos a perceber as crenças , percepções e ações incorretas , que nos limitam e à nossa capacidade de contribuir . Reconhecendo-as , aprendemos com elas e as abandonamos . Se encontramos crenças limitadoras , como " Não posso fazer isso " ou " Eu nunca poderia . . ." , simplesmente as reconhecemos como meras crenças e de pouca importância , e nos voltamos para fazer o que inicialmente pensamos estar acima de nós . Se nos percebemos condenando e agredindo pessoas , inclusive nós próprios , aprendemos com isso , encontrando as causas de nossa raiva e observando suas consequências . Talvez essa condenação vá mais longe e passemos a perceber as outras pessoas como " o inimigo " . Quando isso ocorre , devemos procurar reconhecer nosso pensamento dualista e encontrar as áreas de experiência e os objetivos que temos em comum com esse " inimigo " . Pode ser proveitoso também reconhecer seu medo e sua defesa e tentar perdoar , em vez de agredir .
Se ficamos temerosos e defensivos , e ficaremos , pois somos humanos , temos a oportunidade de aprender como essas emoções afetam nossas mentes . Também teremos a chance de entender o vício e as inseguranças que as originam . Dessa compreensão pode surgir , então , uma empatia e compaixão por aqueles que são dominados pelo medo e a defensividade e , devido a isso , atacam e destroem .
Quando somos tentados a ser desonestos e sem ética podemos nos conscientizar das consequências da culpa e da paranoia em nós mesmos e do sofrimento causado aos outros . No entanto , é importante que essa conscientização seja cultivada , não para nos condenarmos e punirmos , mas para aprendermos e crescermos .
À medida que cultivarmos a conscientização e fizermos nossas contribuições , logo veremos que estamos viciados a ver certas coisas acontecerem . Talvez queiramos elogio e reconhecimento ou necessitemos do anonimato , talvez precisemos ver nossas ideias aceitas , talvez queiramos sempre liderar , ou sempre seguir 
Quase todos nós acharemos algum vício de ver nossas contribuições produzirem os resultados que desejamos . Isto certamente parece um objetivo razoável , e o é , mas quando passa a ser um vício , o resultado é problemático . Dissemos " Eu preciso seguir meu caminho " , e nos preparamos para experimentar a frustração e o desapontamento assim como o ódio por aqueles que nos impedem . Devemos lembrar-nos que muitas das pessoas que estão criando nossas crises globais o estão fazendo por estarem viciadas às soluções que encontraram , sejam elas o comunismo , o capitalismo , maior uso de recursos , ou armas nucleares . Por essa razão é muito importante lembrar que até nossas melhores intenções podem estar equivocadas .
Por isso também é fundamental reduzir nossos vícios , mesmo os vícios de resultados bem sucedidos de nossas contribuições . Quando diminuímos esses vícios , também reduzimos nosso ponto de vista egoísta , nossos medos de fracasso e nosso ressentimento em relação aos que nos colocam obstáculos . O resultado é uma maior equanimidade , clareza e eficácia , já que nossa visão passa a ser menos distorcida por desejos e medos egoístas . Por último , mas não menos importante , também nos sentimos mais felizes .
Uma vez tendo alcançado este estágio , podemos usar nosso sofrimento como feedback de que estamos habituados a que as coisas sejam de uma maneira específica . O sofrimento psicológico é como a dor física , um sinal de que algo está errado . Se nossa resposta é apenas tentar mudar o mundo , estaremos mantendo nossos hábitos e tornaremos a sofrer na próxima vez em que eles não forem gratificados .
No entanto , se trabalharmos para mudar o mundo e reduzir nosso vícios , então estaremos curando tanto o psiquismo como o mundo , o eu e o outro .
Quanto mais conscientização provocamos , mais tudo passa a fazer parte de nossa aprendizagem . Tudo o que fazemos e experimentamos passa a ser um meio de aprofundar nossa compreensão , de reduzir nossos vícios e aversões , de cultivar a empatia e a compaixão , de aceitar e perdoar e de nos tornarmos aprendizes e colaboradores mais eficazes . Nossas vidas se tornam laboratórios nos quais somos ao mesmo tempo experimentador e sujeito , professor e aluno , servidor e servido .

ESTILO DE VIDA 

Com o desenvolvimento da conscientização e da compreensão , talvez comecemos a perceber aspectos em que nossos estilos de vida conflituem ao mesmo tempo com o que realmente desejamos e com o que seria apropriado do ponto de vista ecológico . Ainda que um dia tenham-se escondido sob os véus da insensibilidade e da inconsciência , essas discrepâncias ficam cada vez mais indiscretas e nos importunam pedindo correção . Quando as analisamos , verificamos que muitas dessas discrepâncias refletem vícios , medos e outros defeitos psicológicos semelhantes àqueles que originam problemas globais .
Essas discrepâncias de estilo de vida podem adotar formas variadas . Talvez estejamos comprando , consumindo e nos descartando de coisas sem preocupação com o impacto ecológico . Por exemplo , talvez estejamos usando o aparelho de ar condicionado em vez do ventilador , o carro , mesmo quando há transporte público disponível , ou bens não reutilizáveis em vez dos reutilizáveis . Talvez estejamos nos tornando , e às nossas famílias , ansiosos e tensos por trabalhar além da conta para ganhar um dinheiro extra para coisas de que realmente não necessitamos . Talvez estejamos trabalhando ou investindo em uma indústria que esteja causando danos ao meio ambiente , criando produtos perigosos , ou tirando vantagens injustas de países subdesenvolvidos .
Talvez estejamos comprando de companhias que patrocinam programas de televisão violentos ou não estejamos expressando nossa apreciação por patrocinadores e canais que mostrem programas educacionais sobre os problemas mundiais . Talvez pudéssemos doar mais de nosso tempo e dinheiro para as causas que nos inspiram . Duane Elgin escreveu :

As oportunidades para ações significativas e importantes estão em todo lugar : o alimento que escolhemos para comer , o trabalho que escolhemos desenvolver , o transporte que escolhemos usar , a maneira pela qual escolhemos nos relacionar com os outros , a roupa que escolhemos usar , a aprendizagem que escolhemos adquirir , as causas piedosas que escolhemos apoiar , o nível de atenção que escolhemos destinar à nossa passagem diária pela vida , e assim por diante . A lista é interminável , já que a matéria da transformação social é idêntica àquela de que se constitui nosso dia-a-dia .

SAÍDA E RETORNO

Com o passar do tempo , os custos de nossas fraquezas e os benefícios do desenvolvimento da aprendizagem , da conscientização e do crescimento ficam cada vez mais aparentes . À medida que isso acontece , podemos sentir uma necessidade crescente de separar um tempo destinado especificamente para nossa cura , aprendizagem e amadurecimento . Este tempo não é egoísta ; ele é vital para nosso bem-estar e nossa capacidade de contribuir .
Infelizmente , este fato é raramente apreciado , ainda que muitos sábios o tenham mencionado através dos anos . " Encontrar o centro de força em nosso interior é , no final das contas , a melhor contribuição que podemos fazer aos outros homens " , disse o existencialista Rollo May , repetindo as palavras de Buda , que dizia que " para endireitar o torto , é preciso primeiro fazer uma coisa mais difícil - endireitar-se a si mesmo " 

É um grave erro acusar a quem persegue o autoconhecimento de " voltar suas costas para a sociedade " . O oposto seria mais verdadeiro : que um homem que não persegue o autoconhecimento é sempre um perigo para a sociedade , pois ele tenderá a confundir tudo o que as outras pessoas dizem ou fazem , e a continuar alegremente inconsciente da importância de muitas das coisas que ele próprio faz .

Esta fase de exploração e trabalho interior é tão essencial que fez parte da vida de muitos dos que verdadeiramente contribuíram para a humanidade . Foi também incorporada às lendas heroicas através dos séculos e culturas .
O grande historiador Arnold Toynbee denominou-a " a lei da saída e do retorno " . Ela foi descrita em uma retrospectiva das vidas de grandes heróis , reais e legendários , assim : 
Resumindo : a primeira tarefa do herói é retirar-se do cenário mundial dos efeitos secundários para as zonas causais do psiquismo onde realmente residem as dificuldades e , lá , entendê-las e erradicá-las no seu caso em particular .
Pode ser que não sejamos todos heróis mundiais , mas certamente podemos aprender com seu exemplo . Como , então , facilitar nosso " retiro para as zonas causais do psiquismo " e nossa compreensão das dificuldades ? Que ambiente e que pessoa nos permitirão um aprofundamento maior em nossos recursos psíquicos para extrair a força e os poderes curativos que lá residem ?
Este é um questionamento individual que cada um deve se fazer e se responder . Para alguns a resposta pode ser que precisam de um período de solidão e calma ; para outros , pode ser que podem se beneficiar dispendendo mais tempo com a família e os amigos . Outros podem encontrar um insight e inspiração maiores na natureza , e outros ainda podem achar que passar alguns períodos em silenciosa reflexão , contemplação , reza ou meditação pode ajudar . Às vezes podemos nos beneficiar de grupos ou seminários com pessoas que estão explorando questões semelhantes . O que quer que acreditemos ser de maior auxílio para nossa aprendizagem e bem-estar , é importante que destinemos um tempo para isso .
Quando tivermos feito isso e sentirmos que estamos prontos , poderemos sair para o mundo novamente . Quando o fizermos , estaremos trazendo conosco os dons da compreensão , calma e energia renovada que adquirimos durante o período de recolhimento . Fazemos nossas contribuições no mundo da forma mais estratégica que podemos , removendo os mal-entendidos e o sofrimento da melhor forma possível .
Quando as inevitáveis frustrações , defesas e ressentimentos começam a se avolumar , trabalhamos para entendê-las e reduzi-las à medida que vão surgindo , mas também acatamos a necessidade de recolhimentos periódicos .
Enquanto o ciclo de saída e retorno continua , a diferença entre o que nos beneficia e o que beneficia os outros fica cada vez mais transparente . Cada contribuição passa a ser uma oportunidade de aprendizagem , cada aprendizagem se torna uma oportunidade para contribuições mais importantes . Na medida em que o limite entre o que nos beneficia e o que beneficia os outros fica mais tênue , diminuem os desejos , medos e comparações , egocêntricos , e a fronteira entre nós e os outros também se atenua . Pouco a pouco , desprezamos os véus da separação e da condição de " outro " e reconhecemos nossa condição humana comum . Quando o fazemos , as palavras de um antigo provérbio indiano começam a fazer sentido :

Quando eu não sei quem sou eu o sirvo .
Quando eu sei quem sou , sou você .

Neste ponto , as causas psicológicas de nossas crises globais foram reduzidas em nosso interior . Sem " outros " não existe razão para medo , paranoia e defensividade , e as respostas de empatia e compaixão surgem espontaneamente .
Nosso ciclo de saída e retorno e de trabalho no mundo e em nós mesmos alcançou sua realização , e a pergunta " O que posso fazer ? " foi respondida .
Esta , então , é uma forma de serviço e contribuição . É uma forma recomendada através dos séculos por grandes doutrinas de desenvolvimento e pelas grandes religiões , e pode ser considerada psicológica ou religiosamente , à escolha de cada um . " Procurar , acima de tudo , um jogo que valha a pena " , é o conselho de alguns psicólogos . " Encontrado o jogo , jogue-o intensamente - como se sua vida e sanidade dependessem daquilo . ( Elas na verdade dependem mesmo ) " . A contribuição e aprendizagem conscientes , que partem de uma escolha , é um jogo que vale a pena ser jogado , e o destino da terra pode depender do número de pessoas que decidem jogá-lo .
Somos chamados a uma tarefa maior do que jamais foi exigido de qualquer geração na história da humanidade : preservar nosso planeta e nossa espécie . Ao aceitar este desafio , somos convocados também a reconhecer , desenvolver e criar conscientemente nossa evolução .
Jamais , no curso da história da humanidade , a necessidade foi maior . Nunca tantas pessoas sofreram e morreram sem necessidade . Nunca tantos tiveram fome e foram oprimidos . E nunca tantas vidas ( uns cinco bilhões ) ficaram penduradas na balança .
E jamais , no curso da história da humanidade , as oportunidades foram tão grandes . Nunca tivemos tantos recursos e tecnologias poderosos disponíveis para aliviar o sofrimento do mundo . Nunca houve tanta possibilidade de se desenvolver uma psicologia global para compreender as motivações e os comportamentos que nos ameaçam , e os que ainda podem nos salvar . A magnitude de nossas dificuldades só pode ser igualada pela magnitude de nossas oportunidades .
Portanto , nenhum de nós pode estar frente a tarefa mais urgente e recompensadora do que o reconhecimento e preenchimento de nosso papel na criação e aplicação de uma psicologia de sobrevivência humana : uma psicologia que una todas as pessoas de todas as nações que desejem aplicar suas habilidades nisso - as questões mais prementes de nossa era - desvendando as forças psicológicas que nos trouxeram a este momento decisivo da história , e trabalhando para transformá-las em forças para nossa sobrevivência , nosso bem-estar e nossa evolução comuns . O trabalho a ser desenvolvido é empolgante e desesperadamente necessário , e somos privilegiados por ter a oportunidade de fazê-lo .
Texto : Roger Walsh ( Extraído do livro Pela Vida cap. 18 )
Deixe o seu Comentario .  

    



     

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário